it's rafaela

Os melhores livros que li em 2023 (e mais alguns)

os melhores livros lido em 2023, it's rafaela, rafaela, literatura, reviaews, 2023a

 

O ano de 2023 foi um ano produtivo em termos de leituras. Não o mais produtivo de todos, mas, ainda assim, interessante. Li vários géneros, muitos autores novos, histórias de vários tipos, e bastante realismo mágico. Mas feitas as contas, nem todas as leituras foram marcantes, e nem todos os livros foram extraordinários. Ainda que, admito, houve muitos que foram marcantes & extraordinários.

 

Foram 27 autores novos, num total de 30 livros, e os autores mas lidos foram Leigh Bardugo e Toshikazu Kawaguchi. Uma média de 276 páginas e numa maioria de formato físico. Maioritariamente ficção literária e fantasia. O livro mais curto tinha 48 páginas, e o mais comprido tinha 435. Li, no total, 8,060 páginas e maioritariamente em inglês.

 

Portanto… foi um ano bom. A maioria das leituras foram apreciadas. Mas houve leituras mais especiais. Portanto, hoje vamos falar um pouco sorbe os livros que mais me marcaram em 2023, e porquê. E fingir que não estamos já em março de 2024.

 

 

As minhas melhores leituras de 2023

 

Como se fôssemos vilões (If we were villains)

Eu gostaria de escrever uma review que fizesse justiça a este livro, mas, sempre que verdadeiramente gosto de um livro, é-me difícil pôr os sentimentos em palavras. Este livro é abismal. A escrita, a história, os personagens. Fiquei agarrada do princípio ao fim. As reviravoltas, as pequenas pistas escondidas, as relações entre os personagens. Fantástico.

 

 

Local Woman Missing

Este livro começa de forma cativante, pelo meio torna-se um bocadinho entediante, e no final tem uma série de reviravoltas extraordinárias que fazem com que todos os pontos fiquem ligados e tudo faça sentido. Não sei explicar o que senti enquanto o lia, porque demorei dois meses a acaba-lo e sempre que lhe pegava não me lembrava do que tinha acontecido. Mas sei que sempre que lhe pegava, ficava presa. Eu li umas 20 paginas em pé, na sala de espera do IPST, e mais umas quantas enquanto estava a dar sangue. Uma assitente chegou a comentar que só me faltava um café. É o quão vidrada eu ficava sempre que o lia.

 

 

Raparigas Selvagens (Wilder Girls)

Este livro é como se O Deus das Moscas (William Golding) encontrasse A Fenda (Doris Lessing). Não sabemos o que se passa “lá fora”, nem o que se passa com os corpos das raparigas. Mas sabemos que elas, contra todas as expectativas, se organizaram, vivem pacificamente e estão a sobreviver. “Raparigas selvagens” é sobre mutações e sobreviver ao mundo. Quando a natureza se torna parte de nós e evoluímos com ela. Sobre vida e morte, ciência e comunidade. Sobre, acima de tudo, amizade e camaradagem, amores que superam todos os outros e sobrevivência.

 

 

Sobre a escrita: a arte em memórias

Usando-se a ele próprio como exemplo, sem medo de chamar autores famosos pelos nomes e apontar os erros destes, e dando dicas que são, efetivamente, úteis, Stephen King leva-nos numa viagem pela sua vida e pelo seu ofício. Este livro não é um manual sobre como escrever um livro. É, sim, uma reflexão sobre o processo de escrita e um resumo do conhecimento que Stephen King adquiriu em décadas de trabalho. Engane-se quem espera um passo-a-passo de como criar um personagem, a jornada do herói ou cábulas. O que este livro tem, e muito bem explicado, é o processo criativo do autor, a sua rotina de trabalho, os seus métodos de escrita e revisão, e as histórias por trás de alguns dos seus livros mais famosos. Não só isso, como temos uma visão autocrítica sobre o próprio trabalho dele e uma janela para a mente dele.

 

 

A Culpa É Minha (Asking for it)

Asking for it é exatamente o que promete ser: a história de uma jovem que uma noite sofre abuso sexual às mãos de um grupo de homens e, devido a certas circunstâncias, tem a sua experiência questionada. “Ela estava a pedi-las” é exatamente o sentimento que a autora tenta plantar no leitor – fazer-nos parte da multidão que atacou, questionou, vitimizou repetidamente a Emma, por causa do passado dela, dos seus comportamentos e das circunstâncias. O livro está carregado de momentos intensos e brutais. Não apenas as memórias de Emma, como também a sua experiência posterior. A violência que sofre continuamente, a sua revitimização após o sucedido, os seus pensamentos e sentimentos, a sua dor – tudo isso torna esta leitura numa experiência pesada e difícil. Eu diria que se entranha na experiência de uma vítima real e a coloca em palavras para que o leitor a sinta também.

 

 

 

Mas como 5 livros são poucos... quero deixar duas menções honoras. Livros que, apesar de não serem dos primeiros a vir-me à cabeça quando peso no que li em 2023, são livros que me mrcaram de alguma forma.

 

 

Como matar a tua família 

Uma coisa que eu aprecio neste livro: a autora não nos tenta vender uma protagonista heróica. Desde o início que sabemos porque é que a Grace está a fazer o que faz, todos os seus planos, o plano de fundo das pessoas que ela mata. Ela não é uma heroína nem uma vingadora que nos faz sentir compaixão ou qualquer tipo de conexão emocional. A Grace é fria, vingativa, calculista, metódica e sem remorsos pelos seus crimes. A única personagem que nós sentimos que realmente “merece” algo de mal, ainda assim, apenas no final do livro sentimos a real antipatia por ele – e nem é por algo relacionado com a Grace. Nem podemos chamar a Grace de anti-heróina, porque ela é a antagonista da sua própria história. Este livro é a história de uma vilã.

 

 

O Canto de Aquiles

Este livro é maravilhoso. E a forma como a autora ligou diferentes lendas e diferentes figuras, sem nunca se desviar daquilo que é o centro desta história – o amor -, é incrível. A presença de personagens femininas fortes também foi apreciada. Elas podem não ser as protagonistas, mas elas estavam sempre lá a fazê-los mexerem-se. A escrita é realmente deliciosa. De uma delicadeza incrível, mas limpa. A autora não precisou de recorrer a estruturas confusas nem a vocabulário exuberante para conseguir soar lírica. É fácil de ler, mas encantador.

 

 

Se queres ver em mais detalhe as estatísticas sobre as minhas leituras de 2023, podes sempre ir espreitar o meu post de recap no instagram.

 

Se queres a lista completa de livros lidos em 2023, podes ir espreitar o meu post sobre as leituras do primeiro semestre de 2023, e o post sobre as leituras do segundo semestre de 2023.

 

 

Autor

Designer e marketeer, leitora e escritora.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *